Translate

segunda-feira, 17 de junho de 2013

O escritor de todos os tempos ! 

Autor do poema: Fernando Pessoa
Postado por: Ana Togni

Tudo vale apena quando a alma não é pequena.

Pedras no caminho. Guarde todas. Para um dia construir um castelo. 

Jamais desista de ser feliz, pois a vida é um espetáculo,  imperdível, ainda que se apresentam dezenas de fatores a demostrarem o contrário ! 

As vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido.

Tenho em mim todos os sonhos do mundo. 


Uma singela homenagem a escritora que passou pela vida de tantas crianças,com sua linguagem simples encantou nossos alunos e despertou o gosto pela leitura.
Por: Ana Mirela Lista Francisco


Ser criança é dureza- Todo mundo manda e...
Autora do poema: Tatiana Belinky


Ser criança é dureza-
Todo mundo manda em mim-
Se pergunto o motivo,
Me respondem "porque sim".

Isso é falta de respeito,
"Porque sim" não é resposta,
Atitude autoritária
Coisa que ninguém gosta!

Adulto deve explicar
Pra criança compreender
Esses "podes" e "não podes",
Pra aceitar sem se ofender!

Criança exige carinho,
E sim! Consideração!
Criança é gente, é pessoa,
Não bicho de estimação!




Situação de Aprendizagem do Texto “Avestruz”           
                                                                         
Público Alvo: 9º ano / 8ª série
Tempo previsto: 04 aulas

Por: Ana Mirela Lista Francisco

1º Momento

Após trabalhar a Situação de Aprendizagem do texto “Avestruz”, a avaliação será feita da seguinte forma:                                                                                                                      
-Oferecer aos alunos três textos diferentes em gêneros: uma crônica: “Amigos”; uma fábula: “A raposa e as uvas”; uma notícia, onde ele possa distinguir: a tipologia narrar do gênero crônica. 
-Reconhecer qual é a crônica e justificar com características do gênero.

2º Momento
Atividade em dupla: Produção escrita.
Imagine que o garoto teve seu pedido atendido pela mãe, que propôs, a título de experiência; deixar cinco gaivotas passarem um final de semana no apartamento com eles.
( O que comeriam? Como dormiriam? O que faria com as gaivotas?...)

*Agora você assume o papel "do amigo" e dá continuidade à história. 
Lembre-se das características da crônica narrativa:
- texto curto;
- verossimilhança;
- linguagem apropriada (conotativa);
- descontraído (com humor).

OBS: Após a revisão textual, a dupla  entrega a produção ao professor, que poderá pedir a apresentação do resultado para toda a classe. 


                                                                                   


Texto: Avestruz, Mário Prata
Oralidade


Por: Ana Togni



Passo 1: O avestruz... 

O professor levará imagens de várias aves e dentre elas, estará o avestruz. O aluno deverá escolher qual ave é o avestruz.


https://images-blogger-opensocial.googleusercontent.com/gadgets/proxy?url=http%3A%2F%2F3.bp.blogspot.com%2F-UHKtN06Bgkc%2FUZ9Vaq-vHlI%2FAAAAAAAAAAM%2F88PQ1KTeFHc%2Fs1600%2Faves.jpg&container=blogger&gadget=a&rewriteMime=image%2F*




Duplas ou trios:


Pesquisa de antecipação de leitura:
Levar os alunos para a sala de informática, divididos em duplas/trios. O aluno que tem mais dificuldade em registrar as informações ficará responsável pela pesquisa; e o que tem mais facilidade, faz as anotações. 
Pesquisar sobre o animal na sala de informática, sala de leitura: habitat, características, curiosidades, reprodução, alimentação, produtos derivados do animal para consumo. 


Socialização de informações e produção de uma ficha técnica; e o professor levará uma enciclopédia antiga mostrando no livro, informações para os alunos. A enciclopédia circulará na sala de aula, sob visualização dos alunos; para conhecimento de outras formas de registro de conhecimentos.


Perguntas do professor:


Tendo em vista da pesquisa realizada:
Levantamento de hipóteses: O que o título sugere? Será uma história de avestruz? A história vai contar o que sobre o animal? Qual a sua expectativa?


Passo 2: Lendo o texto...



Avestruz Mario Prata O filho de uma grande amiga pediu, de presente pelos seus 10 anos, um avestruz. Cismou, fazer o quê? Moram em um apartamento em Higienópolis, São Paulo. E ela me mandou um e-mail dizendo que a culpa era minha. Sim, porque foi aqui ao lado da casa, em Floripa, que o menino conheceu os avestruzes. Tem uma plantação, digo, criação deles. Aquilo impressionou o garoto. Culpado, fui até o local saber se eles vendiam filhotes de avestruz. E se entregavam em domicílio. E fiquei a observar a ave. Se é que podemos chamar aquilo de ave. O avestruz foi um erro da natureza, Deus devia estar muito cansado e cometeu alguns erros. Deve ter criado primeiro o corpo, que se assemelha, em tamanho, a um boi. Sabe quanto pesa um avestruz? Entre 100 a 160 quilos. Fui logo avisando à minha amiga. E a altura pode chegar a quase 3 metros -- 2,70, para ser mais exato. Mas eu estava falando da sua criação por Deus. Colocou um pedaço que não tem absolutamente nada a ver com o corpo. Não devia mais ter estoque de asas no paraíso, então colocou asas atrofiadas. Talvez até sabiamente, para evitar que saíssem voando em bandos por aí, assustando as demais aves normais. Outra coisa que faltou foram dedos para os pés. Colocou apenas dois dedos em cada pé. Sacanagem, Senhor! Depois olhou para sua obra e não sabia se era uma ave ou um camelo. Tanto é que, logo depois, Adão, dando os nomes a tudo o que via pela frente, olhou para aquele ser meio abominável e disse: *Struthio camelus australis*. Que é o nome oficial da coisa. Acho que o struthio deve ser aquele pescoço fino em forma de salsicha. Pois um animal daquele tamanho, deveria botar ovos proporcionais ao seu corpo. Outro erro. É grande, mas nem tanto. E me explicava o criador que os avestruzes vivem até os 70 anos e se reproduzem plenamente até os 40, entrando depois na menopausa. Não têm, portanto, TPM. Uma fêmea de avestruz com TPM é perigosíssima! Podem gerar de dez a trinta crias por ano, expliquei ao garoto, filho da minha amiga. Pois ele ficou mais animado ainda, imaginando aquele bando de avestruzes correndo pela sala do apartamento. Ele insiste; quer que eu leve um avestruz para ele de avião, no domingo. Não sabia mais o que fazer. Foi quando descobri que eles comem o que encontram pela frente, inclusive pedaços de ferro e madeira. Joguinhos eletrônicos, por exemplo. Máquina digital de fotografia, times inteiros de futebol de botão e, principalmente, chuteiras. E, se descuidar, um mouse de vez em quando cai bem. Parece que convenci o garoto. Me telefonou e disse que troca o avestruz por cinco gaivotas e um urubu. Pedi para a minha amiga levar o garoto a um psicólogo. Afinal, tenho mais o que fazer do que ser gigolô de avestruz. PRATA, Mário. Avestruz. 5ª série/6° ano vol. 2.
Caderno aluno p. 9 Caderno do professor p.18


A leitura será compartilhada, tendo em vista aquele aluno que não lê; marcando as palavras que não conhece. Será discutido os sentido das palavras marcadas, e depois, o professor fará a leitura.

Depois da leitura, o professor fará a devolutiva quanto às expectativas.

Conscidiu com as expectativas alcançadas?
O professor deverá unir as ideias propostas à proposta do texto. 


Passo 3: Interpretando e analisando o texto:


Questões de interpretação nas duplas e trios:


1) Confecção de uma lista de palavras novas:


2) Ilustrar a história:


3) Porque o narrador trocou a palavra “plantação por “criação” em “Tem uma plantação, digo, criação deles”?


4) Qual o verbete científico que aparece no texto? Qual a sua língua?


5)Você gostou do texto? Qual parte?


6) Você já teve vontade de ter um animal exótico?


Atividade de Alfabetização:


1) Retirar um parágrafo, e dele, retirar algumas palavras e fazer um banco de palavras. Pedir para o aluno completar com as palavras que faltam. 


2) Cortar o texto em tiras e e pedir para o aluno colocar na sequência textual.


Produção textual:


Reescrita individual do texto.Il

Situação de Aprendizagem : Texto "Meu Primeiro Beijo", de Antônio Barreto

Por: Ana Cristina Capeli Mangerona

 

Público alvo 8º e 9º ano
Antes da leitura

Contextualização:

Leitura e análise do quadro:O beijo, de August Klimt 


I -Fazer um questionamento a partir da imagem como:
* O que a imagem representa?
*Há uma idade certa para beijar?

II- Audição e leitura de músicas de estilos diferentes:

- Beijinho doce - Nhô Pai (João Alves da Silva)

- Já sei namorar - Tribalistas

* Qual estilo lhe agradou mais?


Durante a leitura

III - Leitura em grupos com pesquisas de palavras desconhecidas

* Leitura compartilhada

 Atividades

a) Destaque as características físicas e psicológicas das personagens.

b) Observe o foco narrativo. Como é chamado esse tipo de narrador?
c) Relacione o apelido do personagem masculino "Cultura Inútil" à linguagem deste personagem.
d) Destaque as marcas do tempo com passagens do texto.
e) Relacione o dito popular "A primeira impressão é a que fica". Isso se confirma no texto?
f) Comente o desfecho do texto "... e foi ficando nisso normal".


Depois da leitura



IV- Produção escrita para 9º ano - texto narrativo

A partir do tema produzir contos em grupo com ilustração.

*Produto final confecção de um livro que será doado à sala de leitura.


Produção escrita para o 8º ano - texto prescritivo

Produção de um manual do beijo.

Produto final montar um painel ilustrativo para o dia dos namorados


Observação: Esta situação de aprendizagem foi elaborada durante o encontro presencial do Curso MGME Formação de Professores de Língua Portuguesa.




Situação de Aprendizagem: Cotidiano

Por: Amanda Scavazza

Texto – Pausa – Moacir Scliar

Ver o Vídeo:




1 – Objetivo: Perceber intertextualidades e compreender as características do gênero textual crônica.

·         Professor passa o vídeo “Parcialmente Nublado” para os alunos.
·         Questiona o aluno sobre a relação da nuvem e sua cegonha e as demais.
·         Prioriza o momento em que a cegonha vai embora e volta. Fazendo os perceber  a importância dessa volta e se eles, realmente, imaginavam que ela voltaria.
·         Logo após, apresentar o texto “Pausa” aos alunos, fazendo perguntas prévias antes da leitura.
·         Ler o texto para os alunos, fazer análise e interpretação deste, observando as características do gênero estudado.
·         Mostrar ao aluno qual a importância do descanso de Samuel e seu retorno para a casa, comparando ao vídeo, já que a cegonha também se afasta por um momento de sua nuvem, assim como Isidoro faz com sua esposa.
·         Incentivar os alunos a perceber as vantagens de uma boa amizade e suas dificuldades.
·         Em grupos, pedir pra que eles discutam momentos de “voltas” com as colegas e expor a opinião deles para a sala, discutida no grupo também, se Samuel retorna ao quarto na semana seguinte e o motivo.

2 – Produção Textual:  Produzir uma crônica, contando o próximo domingo de Samuel, pensando na fidelidade que um casamento deve ter e que a cegonha teve com sua nuvem, voltando mesmo diante das dificuldades.


3 – Produto final: a melhor crônica será interpretada ludicamente pelos alunos que tiverem mais facilidade em comunicar-se com a ajuda dos demais.

domingo, 16 de junho de 2013




Situação de Aprendizagem  (Público Alvo: 6º ano)

Por: Analúcia Neves



Texto – Meu Primeiro Beijo - Antônio Barreto
Ver o vídeo:  


1. Interdisciplinaridade: na disciplina de Ciências os alunos farão uma pesquisa sobre os tipos de beijos e as consequências (positivas e negativas) que causam nos seres humanos.   

2. Objetivo da aula (6º ano): estudar recursos linguísticos de uma crônica
  • Professor coloca a música Beijo, beijinho, beijão (Larissa Manoela) para ouvirem enquanto isso o próprio professor mostra fotos de 1º’s beijos, tanto de pessoas reais como em obras de artes. 
  • Ir perguntando sobre o tema que fora estudado em Ciências. 
  • Abordar o tema do primeiro beijo: idade, quando e com quem.
  • Quais os tipos de beijos que existem, de acordo com o que fora visto em Ciências (conversar com eles sobre o assunto).
  • Entregar o texto de Antônio Barreto - ”Meu primeiro beijo”, recortado em tiras, para que em duplas o organizem (trabalhando assim a estrutura do texto).
  • Relacionar o beijo ao sentimento de ternura.
  • Análise e interpretação ativando a inferência no texto (oral). Fazer perguntas que estimulem a capacidade de compreensão e recursos linguísticos: letra maiúscula, aspas, pontuação.
  • Produção de bilhetes para o professor com “cantadinhas criativas".
  • Organizar um pequeno concurso de cantadas.
  • Selecionar alguns bilhetes com dificuldades de escrita e organização e entregar em cópias para que em duplas os reescrevam.
3. Produto final: A “cantadinha” vencedora do concurso deverá ser publicada no  jornal da escola.